Por oito mil

postado por Lorenna Guerra

Ever so sweet. | via Tumblr

Daniela não está acostumada a se relacionar com alguém com tanta freqüência. Não que ela seja do tipo que troca de namorado a cada semana, seus casos é que não duram e só acontecem entre longos intervalos de tempo. Mas algo está acontecendo, tudo parece diferente. Logo na primeira vez, sentiu-se protegida naqueles braços de pele clara e músculos um pouco fortes. Era como se aquela pele macia dividisse a mesma textura do travesseiro da casa dos pais. Era aconchegante, tinha cheiro de lar, tinha gosto de felicidade. Seu peito se enchia com uma sensação maravilhosa, enquanto seu cérebro transmitia sinais que diziam que tudo daria certo. Sem pensar duas vezes, mergulhou de cabeça. Pulou fundo, e foi.

Tudo portava cores claras, o mundo parecia girar num ritmo completamente calmo. Entre frases sem sentido e assuntos atravessados, se beijavam, sentiam suas peles, conheciam cada um de seus detalhes e trocavam carícias. Eles se gostavam, se sentiam bem quando estavam juntos. E queriam sempre estar juntos. Quatro vezes por semana, oito horas por dia, em todos os minutos de cada hora.

Daniela não estava acostumada a se relacionar com alguém com tanta freqüência, mas sua rotina era invejável. Ela sabia, e agradecia a Deus por colocar no seu caminho alguém tão parecido com ela. Sem essa história de "a outra metade da laranja" ou "a tampa da panela", ela nunca esteve com pedaços em falta, mas agora estava mais feliz. Descobriu que assim como menos e menos é mais, dividir felicidade é multiplicação. E sua felicidade ia se multiplicando cada vez mais. Por dez. Por trinta. Por oito mil.

3 comentários:

  1. Que delicadeza linda (LLLLL).
    Adorei a maneira de escrever, a sutileza e o sentimento que você colocou nas palavras.
    Tá de parabéns!

    beijos

    ResponderExcluir
  2. Sonhando que esse dia um dia chegue.

    http://artedeviver-be.blogspot.com

    ResponderExcluir
  3. Saudades de passar por aqui, Lô! Boa sorte para nós duas no concurso da Kipling, viu?

    Beijos,
    Thais.

    www.cadernoderisos.blogspot.com.br

    ResponderExcluir

 
Voltar ao topo